A GAZETA INDEPENDENTE Nº 9

A verdade com independência

Data: D1 0712

1º. Dia de Combates. Sete horas e doze minutos depois de liberadas as ações ofensivas.

 

 

FAV DERRUBA OUTRO A-7M!

A Força Aérea Venezuelana informa que derrubou mais um caça A-7M da Marinha do Brasil ao norte da entrada do Golfo de Maracaibo. Segundo a nota oficial, o caça era ala de outro do mesmo tipo, derrubado dois minutos antes por outro Flanker da FAV.

 

 

SAN FELIPE ATINGIDA!

A Marinha do Brasil informa que um míssil Torgos atingiu o radar da base de San Felipe. Segundo a nota do Comando Brasileiro, o radar estava monitorando constantemente os caças brasileiros e por isso foi tomada a decisão de silenciá-lo. Essa decisão foi tomada em vôo, mostrando a eficiência do míssil sul-africano. O Comando Venezuelano informou um outro míssil foi derrubado por uma bateria de canhões Bofors L-70 de 40mm, guiada por radares Flycatcher I, com mais de 800 tiros disparados, mas confirmou que houve um ataque a base de San Felipe, com mais 12 leais soldados mortos e 23 feridos, mas adiantou que as Forças Venezuelanas tem outros radares na região.

 

 

ISLA DE ALVES ATINGIDA!

A Marinha Brasileira informou que a base da Armada Venezulana, instalada na pequena Isla de Alves, transformada em base militar com a instalação de um radar TPS-43, foi atingida “a instantes”. Segundo a nota do Comando Brasileiro, as forças brasileiras já haviam captado o sinal de radar da ilha, mas ela tinha sido “ignorada” para não delatar a presença brasileira. Entretanto, agora essa descrição não era mais necessária. Segundo a MB, a ilha foi atacada com dois mísseis R-27EP. Pelas fotos fornecidas e pela carga explosiva dos mísseis, espera-se que o radar e o heliponto da base, que é uma espécie de ‘’plataforma de petróleo’’, tenham sido destruídas.  A Armada Venezuelana não confirmou nem desmentiu o ataque.

 

Fotos fornecidas pela MB:

       

 

Foto da base – Aeroporto de San Felipe:

 

 

 

D1 0713

MB Derruba mais um Flanker

A Marinha do Brasil emitiu nota informando que mais um Flanker foi derrubado no norte venezuelano, sobre o Caribe. A nota não esclareceu as circunstâncias do abate, mas os combates tem sido ferrenhos, nesta área.

 

FAV dererruba um R-3 Viking

A Força Aérea Venezuelana informou que um de seus Flankers consegui derrubar um R-3 Vinking, uma versão AEW do S-3 Viking, que opera no esquadrão VE-1, normalmente lotado no NaE São Paulo. O Comando Brasileiro reconheceu a perda e informou que o caça agressor foi derrubado, logo em seguida.

 

FAB derruba mais dois caças Flankers

A Força Aérea Brasileira emitiu nota oficial informando que dois caças Flankers foram derrubados por caças F-5M de dois esquadrões diferentes. Seguindo a nota, um dos caças venezuelanos já estava em território brasileiro enquanto que o outro foi interceptado ainda sobre o território Venezuelano. Segundo informações adicionais colhidas pela Gazeta Independente, oficiais brasileiros informaram que os caças venezuelanos estavam sendo monitorados por aviões R-99A e que foram surpreendidos por mais de duas esquadrilhas que estão na área.

 

Alto oficial brasileiro pede para Venezuelanos se renderem

Um confiante oficial do Alto Comando brasileiro, que prefere não ser identificado,  disse essa semana que em mais algumas horas os Flankers deixarão de fazer parte dos inventários da FAV. Metade já foi derrubada, e a outra metade "foge apavorada do combate", segundo esse oficial. "Ao que parece, caças sem armamentos e comandos adequados são pouco mais que drones de treinamento para nossos pilotos. Só abateram alguns de nossos aviões de ataque nossos por sua evidente superioridade e especialidade frente à aviões de ataque puro, mas ao enfrentar nossos caças eles estão simplesmente sendo varridos do céu, sem contar a vergonha de ter um "temido" flanker  abatido por um lento e pesado avião de patrulha marítima, coisa que nunca se viu anteriormente. Talvez a rendição fosse menos vergonhosa....." Complementou o oficial.

 

 

GI recupera todos os combates desde o início do confronto

A Gazeta Independente, recupera, neste espaço, todas as perdas identificadas e/ou relatadas pelos dois lados. Nem todos os meios utilizados podem ser os verdadeiros utilizados pelas partes. Notamos que as Forças Brasileiras tem conseguido obter um bom resultado contra forças mais poderosas. Pelas entrevistas que obtemos, fica claro que os Venezuelanos somente agora conseguiram sair do seu território e, apesar de terem derrubados mais meios brasileiros, eles estão perdendo seus principais vetores, os Flankers Su-30 MklI.  Por outro lado, as forças brasileiras impuseram vários ataques ao território venezuelano, mas tiveram diversas perdas. Aparentemente (não temos acesso a toda a situação), houve uma mudança tática que aumentou a eficiência dos caças brasileiros. Notamos, pelas diversas informações coletadas, que o uso de aeronaves AEW tem permitido aos brasileiros uma vantagem tática que os venezuelanos não tem. Por hora as forças Venezuelanas-Bolivianas acumulam mais vitórias, enquanto que as forças brasileiras conseguiram mais ataques ao solo. No momento, a balança parece começar a se inclinar para o lado Brasileiro, mas ainda há muitas outras aeronaves, dos dois lados, que ainda não entraram em combate. Até agora os Venezuelanos usaram apenas a nata de suas forças, algo que deve mudar em breve.

 

A lista da destruição:

Forças Brasileiras:

Comando Atacado

Algoz

Meio

Data

BA San Simon

AMX Rafales 100 a 105

Bombas Spice

D1 0643

Su-30 Golf-1

A-7M Four 09

Derby

D1 0644

Su-30 Foxtrot -3

A-7M Four 07

R-27EP

D1 0644

Su-30 Foxtrot -4

A-7M Four 04

R-27EP

D1 0644

Term. Las Piedras

A-7M Tour 00

Torgos

D1 0655

Su-30 Foxtrot-12

Mirage 2000 Rafale306

Derby

D1 0658

Puerto Cabelo

A-7M Four 3

Torgos

D1 0705 30

Su-30 Golf-3

A-7M Four 10

Derby

D1 0706

Su-30 Golf-4

A-7M Four 5

Derby

D1 0706

Maracaibo

A-7M Four 10

Spice 1000/2000

D1 0708

Isla Alves/Esq 21

Odin-1

R-27EP

D1 0712

San Felipe/Esq.21

A-7M Four 10

Torgos

D1 0712

Su-30 Foxtrot -2

R-3 Odin 2

Derby

D1 0712 30

Su-30 Foxtrot-7

F-5M Rafale 422

Derby

D1 0712 30

Su-30 Foxtrot-9

F-5M Rafale 424

Derby

D1 0712 30

 

 

Forças Venezuelanas e Bolivianas:

Comando Atacado

Algoz

Meio

Data

A-7M Four 11

Su-30 Foxtrot 4

R-27T

D1 0643

A-7M Four 09

Su-30 Golf 1

R-27ER

D1 0643 30

A-7M Four 02

Su-30 Golf 1

R-27T 

D1 0644

A-7M Four 07

Su-30 Foxtrot 3

R-27T 

D1 0644

A-7M Four 08

Su-30 Foxtrot 3

R-27T 

D1 0644

AMX Rafale 100

Su-30 Foxtrot 8

R-27ER

D1 0655 30

AMX Rafale 101

Su-30 Foxtrot 8

R-27ER

D1 0655 30

AMX Rafale 102

Su-30 Foxtrot 8

R-27ER

D1 0655 30

AMX Rafale 103

Su-30 Foxtrot 8

R-27T

D1 0655 30

AMX Rafale 104

Su-30 Foxtrot 8

R-27T

D1 0655 30

Torgos 1 Four 4

Esq. 15

Barak

D1 0655 30

Torgos 2 Four 4

2104 Bia AAé

Bofors L-60

D1 0655 30

Aerop Guará-Mirím

AT-33SF Che1 à 4

Bombas Mk 84

D1 0702 30

A-7M Four-3

Esq. 15

Barak

D1 0705 30

A-7M Four-1

Su-30 Golf 3

R-27ER  

D1 0706

A-7M Four-4

Su-30 Golf 5

R-27T

D1 0706

A-7M Four-5

Su-30 Golf 7

R-27T

D1 0706

A-7M Four-10

Su-30 Golf 3

R-27T

D1 0708

A-7M Four-6

Su-30 Foxtrot 6

R-27T

D1 0710

R-3 Odin 2

Su-30 Foxtrot 2

R-27T

D1 0712 30

F-5M Rafale 423

Su-30 Foxtrot 7

R-27T

D1 0712 30

 

 

D1 0713 30

Corumbá atacada!

A Força Aérea Boliviana atacou Corumbá, lançando bombas sobre o aeroporto local, a Base Fluvial de Ladário e o 17º Batalhão de Infantaria de Fronteira. Segundo os comandos militares ouvidos, as bombas foram lançadas de boa altitude, acima das defesas AAé estabelecidas na cidade. Os danos foram grandes. Segundo o Comando do Exército, houve danos nas instalações do Batalhão, mas nada significativo. Houve 15 baixas, 5 mortos e dez feridos. Já na Base da Marinha em Ladário os danos também foram nas instalações. Os Bolivianos não conseguiram ou não quiseram atacar as embarcações que estavam na base e que atiraram de volta nos aviões atacantes. Segundo o comando local, a base continua operacional. Houve 12 baixas, 4 mortos e oito feridos!

 

FAB derruba dois caças Bolivianos

            A FAB avisou que já está atuando na área e já derrubou dois caças AT-33SF usados pelos Bolivianos, sem perda alguma. Segundo o comando da FAB, há mais caças a caminho e que toda a ação da FABol será contestada.

 

FAB Homenageia oficial morto em combate

            comando do 2º/1º GAvCa - Esquadrão Pif-paf – apresenta suas homenagens ao Tenente Aviador Ricardo Kirk, morto em cumprimento do dever, enquanto realiza uma missão de escolta a um ataque à Base Área Venezuelana em Esmeraldas. O ataque que encontra-se em execução neste exato momento, encontrou oposição de aviões de interceptação SU-30 Flanker de fabricação Russa, operados pela Força Aérea Venezuelana. Os combates entre as escoltas e os aviões Russos, mais avançados tecnologicamente, foram acirrados, com diversos mísseis ar-ar disparados por ambos os lados. Porém, a competência e habilidade se mostraram superiores à tecnologia, resultado na derrubada de um Flanker Venezuelano e a retirada de outro. Leia mais e veja as fotos diretamente na página preparada pelo comando do Esquadrão. AQUI

 

Imagens do ataque Boliviano

 

 

 

 

 

D1 0714

Um momento desfavorável para as forças brasileiras

 

Exército Venezuelano Derruba um F-5M

Esmeraldas – O Exército Venezuelano emitiu nota informando que um destacamento da 1ª. Bia. AAé, ligado a esta arma e que estava deslocada para a Base de Esmeralda, próximo a fronteira com o Brasil, derrubou, com míssies RBS-70, um caça brasileiro, do tipo F-5M. Segundo a nota emitida, a unidade cumpriu com o seu papel de repelir, com decisão, qualquer ataque contra o território Venezuelano. O caça foi abatido enquanto realizava um ataque a baixa altitude contra a base. Ainda segundo a nota oficial, o piloto não sobreviveu, pois ao ejetar, seu caça já estava de cabeça para baixo e, como realizava um ataque em vôo rasante, não teve como escapar.

 

 

Força Aérea Boliviana derruba um caça ALX

Corumbá – Após os bombardeios bolivianos contra cidades brasileiras, a Força Aérea Brasileira começou a dar combate contra seus pares bolivianos. Após a derrubada de dois caças bolivianos AT-33SF Shooting Star (Estrela Cadente), o Brasil sofre um revés com um caça ALX abatido por dos jatos bolivianos. Segundo nota emitida pela FABol, o míssil que abateu o caça brasileiro foi disparado por um caça que foi abatido meio minuto antes, por um míssil disparado pelo mesmo ALX. A FAB confirmou a perda, mas lembra que até o momento, nos combates aéreos, neste front, a vantagem ainda é brasileira.

 

Força Aérea Brasileira Ataca a Base de Esmeraldas

A FAB, ao confirmar a perda de um F-5M no ataque a base de Esmeraldas, também informou a base foi atacada com sucesso. Outros caças brasileiros, na área, informam que já avistam quatro colunas de fumaça que emergem da base, o que significa que a perda de um caça, e de um bom piloto não foi em vão. Recorrendo a imagens de correspondentes, a Gazeta Independente obteve a imagem abaixo, mostrando claramente o ataque realizado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Marcelo Nichele